Tradição é a democracia dos mortos.


tradição-é-a-democracia-mortos
gilbert chestertontradiãodemocraciamortostradição édemocracia dosdos mortosé a democraciaa democracia dosdemocracia dos mortostradição é a democraciaé a democracia dosa democracia dos mortostradição é a democracia dosé a democracia dos mortos

A tradição exige que nós não falar mal dos mortos.Tradição não significa estarem os vivos mortos, senão os mortos vivos.Na democracia dos mortos todos os homens em última são iguais. Não há nem classificação nem estação nem prerrogativa na República da sepulturaEu diria que a democracia, hoje, está mais normalizada. A democracia representativa só é democracia crescente quando procura implicar cada vez mais os cidadãos na acção política. E sabemos que a participação dos portugueses é muito pequena.Muitas sombras dos que morreram ocupam-se apenas em lamber as ondas do rio dos mortos, porque ele corre a partir de nós e ainda tem o gosto salgado dos nossos mares. O rio então recua de nojo, flui em sentido contrário e atira os mortos de volta à vida. Estes, porém, estão felizes, cantam canções de graça e acariciam o fluxo indignado.Diz-se que há no cinema uma tradição Méliã¨s e uma tradição Lumiã¨re. Acho que também há uma tradição Feuillade, que uliliza maravilhosamente o fantástico de Méliã¨s e e o realismo de Lumiã¨re.