Se a um espelho e depois a outro, pergunto se tudo vai bem não é por vaidade: procuro o rosto que tinha antes do mundo o transformar.


se-a-um-espelho-e-depois-a-outro-pergunto-se-tudo-vai-bem-não-é-por-vaidade-procuro-o-rosto-tinha-antes-do-mundo-o-transformar
william butler yeatsseumespelhodepoisoutroperguntosetudovaibemnãoporvaidadeprocurorostotinhaantesdomundotransformarum espelhoespelho ee depoispergunto sese tudotudo vaivai bembem nãonão éé porprocuro oo rostorosto queque tinhatinha antesantes dodo mundomundo oo transformarse a uma um espelhoum espelho eespelho e depoisdepois a outropergunto se tudose tudo vaitudo vai bemvai bem nãobem não énão é poré por vaidadeprocuro o rostoo rosto querosto que tinhaque tinha antestinha antes doantes do mundodo mundo omundo o transformarse a um espelhoa um espelho eum espelho e depoise depois a outropergunto se tudo vaise tudo vai bemtudo vai bem nãovai bem não ébem não é pornão é por vaidadeprocuro o rosto queo rosto que tinharosto que tinha antesque tinha antes dotinha antes do mundoantes do mundo odo mundo o transformarse a um espelho ea um espelho e depoisespelho e depois a outropergunto se tudo vai bemse tudo vai bem nãotudo vai bem não évai bem não é porbem não é por vaidadeprocuro o rosto que tinhao rosto que tinha antesrosto que tinha antes doque tinha antes do mundotinha antes do mundo oantes do mundo o transformar

A guerra, a princípio, é a esperança de que a gente vai se dar bem; em seguida, é a expectativa de que o outro vai se ferrar; depois, a satisfação de ver que o outro não se deu bem; e finalmente, a surpresa de ver que todo mundo se ferrou.Por vezes à noite há um rosto / Que nos olha do fundo de um espelho / E a arte deve ser como esse espelho / Que nos mostra o nosso próprio rosto.Por vezes à noite há um rosto Que nos olha do fundo de um espelho E a arte deve ser como esse espelho Que nos mostra o nosso próprio rosto.Os homens deste mundo são como os grãos de café na máquina de moer: um antes, um depois, outro em seguida, todos acabam por ir para o mesmo destino.Os homens deste mundo são como / os grãos de café na máquina de moer: / um antes, um depois, outro em seguida, / todos acabam por ir para o mesmo destino.Todas as manhãs eu olho no espelho e me pergunto se o mundo me vê da mesma maneira que eu faço.