O homem invisível é uma metáfora de todas as coisas impossíveis com que sonhamos: a felicidade, o amor, o saber que nos escapa. Entre o próximo e o longínquo está o prazer que se experimenta num instante supremo mas essa plenitude está fora do nosso campo visual.


o-homem-invisível-é-uma-metáfora-de-todas-as-coisas-impossíveis-com-sonhamos-a-felicidade-o-amor-o-saber-nos-escapa-entre-o-próximo-e-o
ana hatherlyhomeminvisívelumametforadetodasascoisasimpossíveiscomsonhamosfelicidadeamorsabernosescapaentrepróximolongínquoestprazerseexperimentanuminstantesupremomasessaplenitudeforadonossocampovisualo homemhomem invisívelinvisível éé umauma metáforametáfora dede todastodas asas coisascoisas impossíveisimpossíveis comcom queque sonhamoso amoro sabersaber queque nosnos escapaentre oo próximopróximo eo longínquolongínquo estáo prazerprazer queque sese experimentaexperimenta numnum instanteinstante supremosupremo masmas essaessa plenitudeplenitude estáestá forafora dodo nossonosso campocampo visualo homem invisívelhomem invisível éinvisível é umaé uma metáforauma metáfora demetáfora de todasde todas astodas as coisasas coisas impossíveiscoisas impossíveis comimpossíveis com quecom que sonhamoso saber quesaber que nosque nos escapaentre o próximoo próximo epróximo e oe o longínquoo longínquo estálongínquo está oestá o prazero prazer queprazer que seque se experimentase experimenta numexperimenta num instantenum instante supremoinstante supremo massupremo mas essamas essa plenitudeessa plenitude estáplenitude está foraestá fora dofora do nossodo nosso camponosso campo visual

É perfeitamente concebível que o esplendor da vida, na sua plenitude, fique sempre à espera à volta de cada um de nós, mas encoberto à vista, bem lá no fundo, invisível, longínquo. Mas está lá, não hostil, não relutante, não surdo. Se o chamarmos com a palavra certa, pelo nome certo, ele vem. Esta é a essência da magia, que não cria, mas chama.Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não está lá quem se ama, não é ela que nos acompanha – é o nosso amor, o amor que se lhe tem.Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não está lá quem se ama, não é ela que nos acompanha ? é o nosso amor, o amor que se lhe tem.Essa é a coisa com a magia. Você tem que saber que ainda está aqui, ao nosso redor, ou apenas permanece invisível para você.O amor é prazer, é amor de companhia, é amor de estar junto, precisa de mais coisas. (...) Mas onde é que está o amor completo? Essa ambição mata o amor, esse desejo de tudo ter da outra pessoa, de tudo exigir, de tudo querer, essa ambição leva a desgraça, a drama, a paixão sem controle, folha de árvore a cair no Outono.A saudade não está na distância das coisas, mas numa súbita fractura de nós, num quebrar de alma em que todas as coisas se afundam.