O atraso das ciências económicas e sociais em relação às ciências da matéria é uma das causas das actuais infelicidades da Humanidade. A técnica arrasta o homem para horizontes imprevistos.


o-atraso-das-ências-económicas-e-sociais-em-relação-às-ências-da-matéria-é-uma-das-causas-das-actuais-infelicidades-da-humanidade-a-técnica
jean fourastiéatrasodasciênciaseconómicassociaisemrelaãoàsdamatériaumacausasactuaisinfelicidadeshumanidadetécnicaarrastahomemparahorizontesimprevistoso atrasoatraso dasdas ciênciasciências económicaseconómicas ee sociaissociais emem relaçãorelação àsàs ciênciasciências dada matériamatéria éé umauma dasdas causascausas dasdas actuaisactuais infelicidadesinfelicidades dada humanidadetécnica arrastaarrasta oo homemhomem parapara horizonteshorizontes imprevistoso atraso dasatraso das ciênciasdas ciências económicasciências económicas eeconómicas e sociaise sociais emsociais em relaçãoem relação àsrelação às ciênciasàs ciências daciências da matériada matéria ématéria é umaé uma dasuma das causasdas causas dascausas das actuaisdas actuais infelicidadesactuais infelicidades dainfelicidades da humanidadea técnica arrastatécnica arrasta oarrasta o homemo homem parahomem para horizontespara horizontes imprevistos

O atraso das ciências económicas e sociais em relação ã s ciências da matéria é uma das causas das actuais infelicidades da Humanidade. A técnica arrasta o homem para horizontes imprevistosAntropologia é o mais humanística das ciências e a mais científica das ciências humanas.O antropólogo é o astrã´nomo das ciências sociais: ele está encarregado de descobrir um sentido para as configuraçãµes muito diferentes, por sua ordem de grandeza e seu afastamento, das que estão imediatamente próximas do observador.A finalidade das ciências naturais não é apenas aceitar as afirmaçãµes de outros, mas investigar as causas que existem na naturezaEm diferentes momentos eu ensinei ciências humanas, ciências sociais e educação pré-profissional.É a perene juventude da própria matemática que marca-lo com uma imortalidade desconcertante das outras ciências