Amar é respeitar o outro e compreender as suas decisões. Perdoá-lo. É ficar de braços abertos, de coração bem a descoberto... à sua espera. É ir ao seu encontro, assim que der um passo na nossa direção.


amar-é-respeitar-o-outro-e-compreender-as-suas-decisões-perdoá-lo-É-ficar-de-braços-abertos-de-coração-bem-a-descoberto-à-sua-espera-É
josé luís nunes martinsamarrespeitaroutrocompreenderassuasdecisõesperdoloficardebraosabertoscoraãobemdescobertosuaesperairaoseuencontroassimderumpassonanossadireãoamar éé respeitarrespeitar oo outrooutro ee compreendercompreender asas suassuas decisõesÉ ficarficar dede braçosbraços abertosde coraçãocoração bemdescoberto àà suasua esperaÉ irir aoao seuseu encontroassim queque derder umum passopasso nana nossanossa direçãoamar é respeitaré respeitar orespeitar o outroo outro eoutro e compreendere compreender ascompreender as suasas suas decisõesÉ ficar deficar de braçosde braços abertosde coração bembem a descobertoa descoberto àdescoberto à suaà sua esperaÉ ir aoir ao seuao seu encontroassim que derque der umder um passoum passo napasso na nossana nossa direção

O sofrimento da solidão tem sentido absoluto quando o peito está descoberto. Só com os braços bem abertos se ama.Sempre me restará amar. Escrever é alguma coisa extremamente forte mas que pode me trair e me abandonar: posso um dia sentir que já escrevi o que é o meu lote neste mundo e que eu devo aprender também a parar. Em escrever eu não tenho nenhuma garantia. Ao passo que amar eu posso até à hora de morrer. Amar não acaba. É como se o mundo estivesse à minha espera. E eu vou ao encontro do que me espera.Sobre compreender E assim, quando a poesia viu, não pode compreender, assim, anulou o que lhe faria bem, deixou de lado o que lhe queria bem, desamou quem só se armou dos melhores sonhos.Nós recebê-lo em nossa família de braços abertos.Compreender-se é um passo para a paz interior, e um passo mais perto alcançar suas ambições não cumpridas.Amar, por vezes, exige que o amor supere a nossa razão. Amar é esquecermo-nos das faltas do outro. É ajudá-lo, esquecendo-nos de nós. É perdoá-lo, perdoando-nos a nós mesmos pela má vontade de não querer esquecer.